Resultados encontrados: ALTINO CAIXETA DE CASTRO

HÁ SEMPRE UM COPO DE MAR

Postado por e arquivado em ALTINO CAIXETA DE CASTRO, ARTES, LITERATURA.

Wilson Caixeta de Castro, o Nino, é sobrinho do poeta Altino Caixeta de Castro. Teve uma longa convivência com o tio e ambos se estimavam. Muitas vezes Nino presenciou o poeta Altino dedilhando na máquina de escrever as palavras mágicas que enobreceram a sua vasta obra. É o caso deste poema. Nino não sabe explicar […]

HILÉIA ESPUMA

Postado por e arquivado em ALTINO CAIXETA DE CASTRO, ARTES, LITERATURA.

teu corpo escorre sol quando nas ancas o mar revém para rever axilas um polvo estende mais de cem pupilas há periscópios pelas praias brancas. arquipélago: me aconchego às ilhas onde as marés te beijam e onde estancas os vendavais: teus braços entre-lançam sete lençóis de espumas: que são filhas da mesma cama onde dormimos […]

PATOS DE MINAS

Postado por e arquivado em ALTINO CAIXETA DE CASTRO, ARTES, LITERATURA.

Eis a selva bruta e viva, Pré-Colombo, colombina. Terra adâmica, divina, Selvagem, sã, primitiva. A terra é moça-menina. Chegam índios, terra altiva. Plantam milho pelas silvas. Enchem de sonho a campina. Depois é a taba, são matos. É a lagoa, são os patos, São tropeiros, são as sinas. Depois é o padre, a capela, Santo […]