Resultados encontrados: CANTINHO LITERÁRIO DO EITEL

ADÉLIO E A SOGRA

Postado por e arquivado em CANTINHO LITERÁRIO DO EITEL.

Adélio namorava a Adélia. E a mãe da Adélia se chama Amélia. Foi incompatibilidade à primeira vista entre o namorado e a sogra viúva. Sabe-se lá porque, talvez pela enorme tatuagem tribalista no músculo bíceps esquerdo do mancebo. O fato é que a senhora não dava trégua aos dois quando na sala de estar e […]

AMASSO

Postado por e arquivado em CANTINHO LITERÁRIO DO EITEL.

Vários edifícios já são dotados de muita parafernália para tentar coibir certas visitas indesejáveis de quem não foi convidado a entrar e mesmo assim resolve entrar. Não é infalível, mas, indiscutivelmente, pelo menos obriga o mal intencionado a elaborar uma tática pouquinha coisa mais razoável. Num desses, ali na Avenida Getúlio Vargas, tem câmeras pra […]

APARELHO AUDITIVO ESPIÃO

Postado por e arquivado em CANTINHO LITERÁRIO DO EITEL.

Nas décadas de 1970 e 1980, ele foi um empresário de enorme sucesso, não apenas em Patos de Minas, pois seus negócios alcançavam todo o Alto Paranaíba e quase todo o Noroeste de Minas. No auge dos lucrativos negócios, tinha até avião. E foi nesse auge que surgiu um problema de saúde inesperado: deficiência auditiva […]

ARRANJO MAL SUCEDIDO NA FACULDADE

Postado por e arquivado em CANTINHO LITERÁRIO DO EITEL.

Aconteceu numa faculdade localizada à Rua Major Gote. O Fulano chegou à última prova do 1.º período precisando tirar 8 em 10. Tão desesperado estava que pediu pelo amor de Deus ao Beltrano, o gênio da turma, que lhe ajudasse da seguinte maneira: ia sentar à frente dele; como ele era fera na matéria e […]

ASSOMBRAÇÃO

Postado por e arquivado em CANTINHO LITERÁRIO DO EITEL.

Tipo do caboclo ajeitado é o Tonhão, solícito 24 horas por dia e um companheiro de pesca daqueles que todos querem ter. Mas o prezado carrega consigo um problemão: morre de medo de assombração. Inclusive, nas pescarias, quando chega a noite ele não sai de perto das luzes do acampamento, e sempre vê sombras esquisitas […]

BADECO, O ENROLADO

Postado por e arquivado em CANTINHO LITERÁRIO DO EITEL.

O Badeco até que é um sujeito ajeitado, um bom papo, boa companhia, mas, infelizmente, é enrolado demais da conta no quesito “honrar compromissos financeiros”. Por causa disso a fila de cobradores é imensa e vira e mexe tem que conversar com o gerente do banco para liberar o talão de cheques. E quando a […]

BATIZADO DO GUZERÁ, O

Postado por e arquivado em CANTINHO LITERÁRIO DO EITEL.

Na década de 1940 o governo de Getúlio Vargas incentivou a criação de gado Zebu com fartos empréstimos aos pecuaristas. Quando uma agência do Banco do Brasil foi instalada em Patos sem ainda o “de Minas”, o Município se transformou com a dinheirama à disposição daqueles que atendiam às exigências burocráticas, os Coronéis de sempre. […]

BEATAS VICIADAS EM CONFISSÃO

Postado por e arquivado em CANTINHO LITERÁRIO DO EITEL.

De acordo com os mais antigos, a década de 1960 foi a época em que Patos de Minas mais teve beatas, principalmente na Catedral de Santo Antônio, Igreja do Rosário e Capuchinhos. Sabemos que a beata é mulher extremamente dedicada às práticas religiosas, sendo nobres ajudantes de qualquer pároco. Uma das características principais das beatas, […]

BÊBADOS DESESPERADOS

Postado por e arquivado em CANTINHO LITERÁRIO DO EITEL.

Sentados num dos bancos da calçada da Avenida Piauí, bem de frente à Rodoviária, três chapados – desocupado e bêbado é o que não falta na orla da Lagoa Grande – bebericavam os últimos goles de uma garrafinha plástica de cachaça. Um deles se manifestou: – Ô meu, agora é a sua vez de buscar. […]

BEBEU ALÉM DA CONTA

Postado por e arquivado em CANTINHO LITERÁRIO DO EITEL.

Dizem que o saudoso Bar Tabu servia a melhor vitamina de abacate e o mais saboroso bauru da Cidade. Mas nem todos apreciavam aquela vitamina e aquele sanduiche, preferindo outros quitutes da casa. Um deles é um conhecido fotógrafo que, invariavelmente dia sim e outro dia também, por lá se ajeitava na boquinha da noite […]

BEIJO, O

Postado por e arquivado em CANTINHO LITERÁRIO DO EITEL.

Nos idos de 1940, a viúva Dona Cacilda dava um duro danado, de segunda a segunda, lavando roupas para os endinheirados no intuito de arcar com as despesas da casa e dos estudos do filho único, o esbelto Geracindo, respeitado estudante na afamada escola particular Ginásio Municipal de Patos (Benedito Valadares), do Professor Anair José […]

BERENICE, A SINCERA

Postado por e arquivado em CANTINHO LITERÁRIO DO EITEL.

A simplória Berenice, esposa do Gervásio, salgadeira de mão cheia que fornecia quitutes às festas de casamentos mais badaladas da Cidade e aos mais frequentados bares, como o saudoso Chalé, tinha uma mania que incomodava o marido: o dia inteiro, e para variar à noite, dizia-se preocupada com a morte. Aquilo enfezava o ajudante de […]