Resultados encontrados: CANTINHO LITERÁRIO DO EITEL

ADÉLIO E A SOGRA

Postado por e arquivado em CANTINHO LITERÁRIO DO EITEL.

Adélio namorava a Adélia. E a mãe da Adélia se chama Amélia. Foi incompatibilidade à primeira vista entre o namorado e a sogra viúva. Sabe-se lá porque, talvez pela enorme tatuagem tribalista no músculo bíceps esquerdo do mancebo. O fato é que a senhora não dava trégua aos dois quando na sala de estar e […]

AMASSO

Postado por e arquivado em CANTINHO LITERÁRIO DO EITEL.

Vários edifícios já são dotados de muita parafernália para tentar coibir certas visitas indesejáveis de quem não foi convidado a entrar e mesmo assim resolve entrar. Não é infalível, mas, indiscutivelmente, pelo menos obriga o mal intencionado a elaborar uma tática pouquinha coisa mais razoável. Num desses, ali na Avenida Getúlio Vargas, tem câmeras pra […]

AMIZADE ABALADA

Postado por e arquivado em CANTINHO LITERÁRIO DO EITEL.

Dois amigos patenses descendentes de portugueses, já muito rodados na vida, lanchavam tranquilamente no Café Expresso numa manhã de sábado, como faziam frequentemente. Um deles comentou: – Essa mania dos brasileiros dizerem que em Portugal só tem Manoel e Joaquim já está me torrando a paciência, onde já se viu isso, imaginar que em Portugal […]

APARELHO AUDITIVO ESPIÃO

Postado por e arquivado em CANTINHO LITERÁRIO DO EITEL.

Nas décadas de 1970 e 1980, ele foi um empresário de enorme sucesso, não apenas em Patos de Minas, pois seus negócios alcançavam todo o Alto Paranaíba e quase todo o Noroeste de Minas. No auge dos lucrativos negócios, tinha até avião. E foi nesse auge que surgiu um problema de saúde inesperado: deficiência auditiva […]

ARRANJO MAL SUCEDIDO NA FACULDADE

Postado por e arquivado em CANTINHO LITERÁRIO DO EITEL.

Aconteceu numa faculdade localizada à Rua Major Gote. O Fulano chegou à última prova do 1.º período precisando tirar 8 em 10. Tão desesperado estava que pediu pelo amor de Deus ao Beltrano, o gênio da turma, que lhe ajudasse da seguinte maneira: ia sentar à frente dele; como ele era fera na matéria e […]

ASSOMBRAÇÃO

Postado por e arquivado em CANTINHO LITERÁRIO DO EITEL.

Tipo do caboclo ajeitado é o Tonhão, solícito 24 horas por dia e um companheiro de pesca daqueles que todos querem ter. Mas o prezado carrega consigo um problemão: morre de medo de assombração. Inclusive, nas pescarias, quando chega a noite ele não sai de perto das luzes do acampamento, e sempre vê sombras esquisitas […]

BADECO, O ENROLADO

Postado por e arquivado em CANTINHO LITERÁRIO DO EITEL.

O Badeco até que é um sujeito ajeitado, um bom papo, boa companhia, mas, infelizmente, é enrolado demais da conta no quesito “honrar compromissos financeiros”. Por causa disso a fila de cobradores é imensa e vira e mexe tem que conversar com o gerente do banco para liberar o talão de cheques. E quando a […]

BATIZADO DO GUZERÁ, O

Postado por e arquivado em CANTINHO LITERÁRIO DO EITEL.

Na década de 1940 o governo de Getúlio Vargas incentivou a criação de gado Zebu com fartos empréstimos aos pecuaristas. Quando uma agência do Banco do Brasil foi instalada em Patos sem ainda o “de Minas”, o Município se transformou com a dinheirama à disposição daqueles que atendiam às exigências burocráticas, os Coronéis de sempre. […]

BEATAS VICIADAS EM CONFISSÃO

Postado por e arquivado em CANTINHO LITERÁRIO DO EITEL.

De acordo com os mais antigos, a década de 1960 foi a época em que Patos de Minas mais teve beatas, principalmente na Catedral de Santo Antônio, Igreja do Rosário e Capuchinhos. Sabemos que a beata é mulher extremamente dedicada às práticas religiosas, sendo nobres ajudantes de qualquer pároco. Uma das características principais das beatas, […]

BÊBADOS DESESPERADOS

Postado por e arquivado em CANTINHO LITERÁRIO DO EITEL.

Sentados num dos bancos da calçada da Avenida Piauí, bem de frente à Rodoviária, três chapados – desocupado e bêbado é o que não falta na orla da Lagoa Grande – bebericavam os últimos goles de uma garrafinha plástica de cachaça. Um deles se manifestou: – Ô meu, agora é a sua vez de buscar. […]

BEBEU ALÉM DA CONTA

Postado por e arquivado em CANTINHO LITERÁRIO DO EITEL.

Dizem que o saudoso Bar Tabu servia a melhor vitamina de abacate e o mais saboroso bauru da Cidade. Mas nem todos apreciavam aquela vitamina e aquele sanduiche, preferindo outros quitutes da casa. Um deles é um conhecido fotógrafo que, invariavelmente dia sim e outro dia também, por lá se ajeitava na boquinha da noite […]

BEIJO FANTASMA

Postado por e arquivado em CANTINHO LITERÁRIO DO EITEL.

Lá pelos idos de 1960, o hoje Bairro Brasil e adjacências eram conhecidos como Baixa Várzea, e por lá a prostituição incomodava muito a muita gente. Não foi à toa que o Frei Antônio de Gangi, da Igreja dos Capuchinhos, proporcionou uma passeata contra as mulheres de vida fácil¹. Numa bela noite enluarada, dois amigos […]