Resultados encontrados: 2018

4.º ACIDENTE AÉREO

Postado por e arquivado em 2018, DÉCADA DE 2010, FOTOS.

Trinta e quatro anos após o 3.º acidente aéreo com cinco vítimas fatais¹, o acontecimento trágico se repetiu com um monomotor e igual número de pessoas por volta das dez e meia da manhã do dia 03 de novembro de 2018, desta feita destruindo uma família inteira moradora em Brasília e que se dirigia para […]

ANGICO VERMELHO RESISTENTE NO BAIRRO ALTO DOS CAIÇARAS

Postado por e arquivado em 2018, DÉCADA DE 2010, FOTOS.

A construção tradicional brasileira tem na madeira o seu material mais nobre. No período colonial, os trabalhos em madeira seguiam desde a rica expressão artística até a construção de casas da população humilde. No Cerrado da região onde surgiu Patos de Minas, uma árvore de excelente madeira pesada e prolífica na produção de sementes de […]

ANTIGO BECO DO CHIQUINHO PEREIRA

Postado por e arquivado em 2018, DÉCADA DE 2010, FOTOS.

O viúvo Francisco Pereira da Fonseca (Chiquinho Pereira)¹ tinha 7 filhos quando se casou com Maria da Rocha Fonseca (Vovó Nenen). Prontamente adotados por ela, o casal teve 10 filhos. Essa enorme família foi criada nessa casa amarela construída lá pelos idos de 1900². A partir de 1938, quando Chiquinho Pereira faleceu, Vovó Nenem se […]

AQUI FUNCIONOU O LAMINADOS DE MADEIRA CARVALHO

Postado por e arquivado em 2018, DÉCADA DE 2010, FOTOS.

Na década de 1950, os irmãos Jorge e Martin Zipperer, da Companhia Industrial de Móveis, apelidada de Móveis Cimo (fundada em 1921 em Rio Negrinho-SC) foram os primeiros no Brasil a usar a tecnologia de laminação da madeira a vapor, importada de Hamburgo, na Alemanha. A máquina serra finos cortes dos troncos de madeira, a […]

ARBUSTO NO TELHADO DO MARCOLINO DE BARROS, O

Postado por e arquivado em 2018, DÉCADA DE 2010, FOTOS.

Talvez, quem sabe, o culpado foi um Pardal. Ou um Bem-te-vi. Ou ainda um Urubu. O que se supõe é que alguma ave, fisiologicamente, lá depositou a semente de um vegetal. E, de acordo com as forças que só existem na Natureza, a semente germinou naquele ambiente inóspito. E vai crescendo, alimentada pelo líquido celeste […]

BAIRRO JARDIM PAULISTANO VISTO DA RUA MINAS GERAIS

Postado por e arquivado em 2018, DÉCADA DE 2010, FOTOS.

Longa é a Rua Minas Gerais. Com início na sua colega Doutor Adélio Maciel, no Bairro Várzea, ela rompe em linha reta 21 irregulares quarteirões até encerrar o seu percurso chegando ao vale do Ribeirão da Fábrica (continuação do Córrego do Monjolo), no Bairro Cristo Redentor. Neste, na esquina com a Rua Miguel Americano Bicalho, […]

BANHO DE SOL DOS BIGUÁS DA LAGOA GRANDE

Postado por e arquivado em 2018, DÉCADA DE 2010, FOTOS.

Contumazes frequentadores da lagoa do Parque Dr. Itagiba Augusto Silva, a tradicional Lagoa Grande, os Biguás (Phalacrocorax brasilianus), depois de vários mergulhos em busca de pequenos peixes, descansam o corpo ao sol. O objetivo é secar as penas, já que carecem da secreção da glândula uropigia, que produz um tipo de óleo que torna as […]

BUGANVÍLIA DA PRAÇA DO CORETO EM SEU ESPLENDOR

Postado por e arquivado em 2018, DÉCADA DE 2010, FOTOS.

Como me agradaria ser como esta buganvília! Produziu suas flores, matizadas, olorosas, para que o vento viesse derrubá-las sobre o chão. Depois, estalou outra vez em botões. Não se sente ferida, não se sente violentada, porque seu destino é dar à luz beleza… E não fabricou nem sequer um espinho para defender-se. * Texto: Lucia […]

CADEIRAS DO CINE OLINTA

Postado por e arquivado em 2018, DÉCADA DE 2010, FOTOS.

Amadeu Dias Maciel¹ era apaixonado por cinema, acompanhando o pioneirismo de Arthur Thomaz de Magalhães², o continuísmo de José de Santana³ e o arrojo de Bermurdes Afonso de Castro4. Em 1945, no local do primeiro, bem em frente ao seu palacete5, ele começou a erguer um prédio para abrigar a sétima arte. Infelizmente, Amadeu não […]

CADELA ZEN

Postado por e arquivado em 2018, DÉCADA DE 2010, FOTOS.

Depois de saracotear o esqueleto e os músculos em algumas voltas pela orla do Parque Dr. Itagiba Augusto Silva, vulgarmente conhecido como Lagoa Grande, a cadelinha de nome, origem e raça desconhecidas sentiu-se levemente estafada. Nada preocupante, apenas uma preguicinha daquelas gostosas, dignas de uma esticada geral no corpo. Na esquina da Rua Barão do Rio […]