1.º PROJETO DA FACHADA DO HOSPITAL REGIONAL

Postado por e arquivado em HISTÓRIA.

A intenção de se construir um hospital em Patos de Minas teve início no ano de 1915 em encontros aparentemente informais entre os Drs. Adélio Dias Maciel e João Borges com os farmacêuticos Agenor Dias Maciel e João Gualberto de Amorim Junior (Zico Amorim), depois reunidos outros integrantes¹. Apesar de a política, na época, ser acirrada, todos deixaram de lado suas ideologias e paixões partidárias e procuraram dar-se as mãos para a execução de tão nobre objetivo, finalmente, depois de tantos percalços, alcançado em 18 de julho de 1930. A História, entretanto, deixou no ar um resquício de mistério. Aconteceu uma mudança de direcionamento e o projeto original foi abandonado e trocado por outro que foi a base para a construção do hospital como o conhecemos hoje. O primeiro projeto foi desenhado pelo arquiteto belo-horizontino Octaviano Lapertosa². Hoje, é apenas História.

PROJETO HOSPITAL

* 1: Leia “Hospital Regional Antônio Dias”.

* 2: A revista Laudo em sua edição de dezembro de 2014 (veículo informativo da Associação Médica Regional de Patos de Minas) publicou a foto e um pequeno histórico sobre o Hospital Regional (texto do Dr. Giovanni Roncali Caixeta Ribeiro). O último parágrafo do texto fala sobre o projeto de Lapertosa: “No último mês, chegou ao Centro de Memória ‘Dr. Adélio Maciel’ uma planta (fachada) da Santa Casa de Misericórdia de Patos de Minas. A descoberta se deve ao arquiteto Rogério Pina, irmão de nossa colega Maria Cecília Piau, aos quais agradecemos por gentilmente cederem uma cópia para o nosso acervo. Quem admira o desenho, exposto no nosso museu, fica impressionado com a beleza e a pujança da obra imaginada pelo arquiteto Octaviano Lapertosa, de Belo Horizonte, que assinou a autoria do projeto em novembro de 1917. Convidamos os leitores a visitarem o Centro de Memória para conferir”.

* Texto: Eitel Teixeira Dannemann.

* Foto: Arquivo do Centro de Memória “Dr. Adélio Maciel”, gentilmente enviada pela Secretária Patrícia Lanne.

Compartilhe