A RESPEITO DO “TRENZINHO SONHADOR”

Postado por e arquivado em ARTES, TEATRO.

DSC02002 - CópiaQue o “Trenzinho Sonhador” é um musical infanto-juvenil para crianças de todas as idades, e que é um espetáculo de sonho e fantasia montado e produzido pela FUCAP – Fundação Cultural do Alto Paranaíba, com músicos, bailarinas, atores, figurinistas, cenaristas e técnicos patenses, já foi dito.

Que este musical foi escrito, produzido e realizado para homenagear o artista Vicente Nepomuceno, “artífice do sonho e da fantasia, com quem muito aprendemos”, também já se sabe.

Que estreou em nossa cidade no Cine Riviera, em duas sessões no dia 18/12/83, e que no dia 03/06/84 apresentou-se em duas sessões na Sala “Martins Penna” do Teatro Nacional de Brasília, e que no dia 16/06/84 também apresentou-se em 2 sessões na cidade de Vazante, também já foi dito.

Que o “Trenzinho Sonhador” estará em MARIANA, uma das belas e importantes cidades históricas de Minas, apresentando-se no dia 14 de julho, dentro da comemoração se seus 288 anos, e que no dia seguinte, dia 15, o “Trenzinho Sonhador” estará no 11.º Festival de Inverno de ITABIRA, onde existe o segundo melhor teatro de Minas, só perdendo para o Palácio das Artes, também tem sido dito.

Que é a primeira vez que um espetáculo genuinamente patense e com um elenco de 34 artistas, faz tantas apresentações fora dos limites de nosso município, em ocasiões e locais tão variados. Também fato claro.

Que a FUCAP acredita na criação de uma nova realidade cultural que possibilite uma via de mão-dupla nas relações culturais entre interior e grandes centros, mudando o conceito de que somos apenas consumidores de cultura, e que, se preciso for, a FUCAP andará na contra-mão, também já foi dito.

A partir destas considerações, que conclusões podemos tirar? Analisemos por partes:

– primeiro: com relação às pessoas envolvidas no trabalho do “Trenzinho Sonhador”: a grande maioria do elenco é constituída de pessoas novas e iniciantes na arte. São 40 pessoas que não tinham quase nenhuma formação artística e no mínimo podemos dizer que estas pessoas estão se formando e informando-se artisticamente. São pessoas que estão fazendo a arte pela arte, ou seja, sem nenhuma remuneração, e que estão desenvolvendo uma nova mentalidade artística. A FUCAP está trabalhando com estas pessoas, que modestamente estão desenvolvendo um “know how” muito próprio.

– segundo: com relação à nossa cidade que é conhecida fora como sendo sede da monumental Festa do Milho. Com este “giro” do “Trenzinho” por diferentes regiões do Estado e até fora de Minas, estamos mostrando que além de ter uma Agricultura rica, Patos tem também um grande potencial artístico e que em poucas cidades de Minas existe o movimento cultural que nossa cidade abriga. E quem sabe, dentro de algum tempo Patos poderá ser mencionada não só como Capital do Milho, mas também como um importante centro gerador de cultura do interior mineiro.

– terceiro: a quem o “Trenzinho Sonhador” está atingindo. Nos diversos lugares em que se apresentou, agradou a todos que arriscaram ir ver um espetáculo diferente. Por enquanto estamos atingindo e sensibilizando não muita gente. Mas talvez um dia destes as autoridades responsáveis pela cultura também se sensibilizem realmente com o trabalho que está sendo desenvolvido em nossa cidade. Porque, mesmo com todas as dificuldades que o “Trenzinho” tem encontrado, principalmente com relação a transporte, estadia e alimentação do elenco, a viagem de sonho e fantasia vai continuar!

A conclusão de tudo isso é que, pouco a pouco, o interior está conquistando o seu espaço cultural nos grandes centros, mostrando que realmente é possível aquilo que chamamos de “via de mão-dupla nas relações culturais”.

* Fonte: Texto de Sônia Maria Pereira (Chefe do Setor de Divulgação da FUCAP) publicado na edição n.º 95 de 15 de julho de 1984 da revista A Debulha, do arquivo do Laboratório de História do Unipam.

Compartilhe