WANDER PORTO LANÇA SEU PRIMEIRO LIVRO

Postado por e arquivado em ARTES, EVENTOS, LITERATURA.

DSC02219Uma grande e merecida festa marcou o lançamento do primeiro livro do escritor, poeta, ator e autor teatral, WANDER PORTO SILVEIRA, conhecido como Wandão. Noite de autógrafos aconteceu no restaurante e pizzaria Tiffany, em Patos de Minas, dia 27 de dezembro (1991), contando com o prestígio de muita gente ligada à literatura, à música, e às artes de um modo geral, além de familiares e amigos do escritor.

O livro, MUITO PRAZER, TODO MEU!, reúne contos e crônicas de Wander Porto, e foi lançado com o apoio decisivo da Casa da Cultura de Patos de Minas e de um grupo de amigos do escritor patense. O presidente da Casa da Cultura, Marcinho Maciel teve papel preponderante na edição dessa primeira obra literária de Wandão, uma vez que ele colocou à disposição para uma rifa entre amigos, um aparelho de som, e a renda foi toda destinada ao pagamento da editora e da festa de lançamento no Tiffany.

Na verdade, o livro marca a entrada de Wander Porto no circuito literário de Patos e do Estado, pois lança sua obra para o grande público, uma vez que até o momento, em que pese sua capacidade literária reconhecida, Wander Porto vinha mostrando seu trabalho a um grupo reduzido de pessoas.

Um dado curioso é que o autor tem destaque no campo da poesia, estando inclusive com um livro pronto para ser editado dentro das comemorações do Primeiro Centenário da cidade de Patos Minas, através da Prefeitura, mas lançou primeiro um livro de contos e crônicas, por sinal, com o mesmo quilate literário de seus poemas.
Para a noite de autógrafos, a Casa da Cultura mobilizou toda a imprensa patense, conseguindo levar ao Tiffany muita gente, resultando numa grande festa, inclusive com um show poético-musical apresentado por amigos do autor. No dia 30 aconteceu relançamento do livro de Wander Porto no KIKIÔ’S BAR, sob o patrocínio da Casa da Cultura de Patos e do Cineclube “Clênio Pereira”, seguido de uma mostra de Clips montados pelo próprio Cineclube, também com casa cheia.

* Fonte: Texto publicado na edição especial de 1.º de janeiro de 1992 do jornal Novo Tempo, do arquivo do Laboratório de Ensino, Pesquiso e Extensão de História (LEPEH) do Unipam.

Compartilhe