JOSÉ RIBEIRO DE CARVALHO

Postado por e arquivado em PESSOAS.

DSC02484É fato que dos inúmeros forasteiros que aportaram em Patos de Minas nos idos tempos alguns se sobressaíram pela identificação com a cidade e se tornaram personagens que contribuíram para o seu progresso. José Ribeiro de Carvalho é um digno representante deste grupo de pessoas que num período muito curto de estadia e trabalho na nova terra se tornaram patenses de alma e coração. Ele define a sensação que teve quando chegou: “Eu acho que amei Patos logo na chegada, gostei de Patos, eu vim aqui para ficar seis meses, porque a combinação era ficar seis meses aqui e depois voltar para a Zona da Mata, e eu não quis mais sair, estou aqui desde 1960”.

A pequena cidade de Jequeri, na Zona da Mata mineira, é o berço de José Ribeiro de Carvalho. Vindo ao mundo em 04 de abril de 1933, um dos onze filhos de Antônio de Assis Carvalho e Maria da Conceição Ribeiro, a infância simples foi vivida no Sítio do Cadete, pequena propriedade rural da família. “Minha infância foi de menino da roça, menino pobre, filho de sitiante. Uma infância gostosa dentro daquilo que a gente conhecia na época. Para você ter uma ideia, a única coisa que a gente sabia vinha de um rádio a bateria. Minha diversão era caçar passarinho com estilingue”.

A educação começou numa escola rural próxima ao sítio. Depois no grupo escolar de Jequeri, onde concluiu o primário em 1947. “Naquela época eu imaginava ser piloto da FAB, achava o uniforme bonito, achava importante ser piloto da FAB. Graças a Deus eu não fui porque não tolero avião até hoje, se eu fosse pra lá teria sido um vexame”.

O segundo grau, entre 1948 e 1954, foi realizado e concluído no Colégio de Viçosa, onde depois se formou em Agronomia (1955 a 1958) na Universidade Federal de Viçosa. “Como eu estava em Viçosa fazendo o Ginasial e o Científico no ambiente de Agronomia, filho de fazendeiro, eu acabei sendo Agrônomo e acho que foi Deus que me guiou, e me guiou certo, foi realmente a profissão que eu tinha que ter abraçado, acho que sempre fui guiado por Deus neste aspecto. Não tive influência de ninguém, foi uma decisão minha e foi uma decisão muito acertada”.

Formado, em 1959 José Ribeiro foi trabalhar na CAMIG de Ubá-MG, onde ficou por pouco tempo, transferindo-se para Ponte Nova-MG. Antes, em 05 de setembro, casou com Amélia Nasser de Carvalho. Em seguida foi convidado pelo amigo e ex-colega de Agronomia Ney Bittencourt de Araújo¹ para trabalhar em Patos de Minas na empresa Agroceres. “Eu tenho uma saudade muito grande daquela época porque foi uma época que nós fizemos muita amizade. Esta amizade foi tão grande que depois de formado eu acabei vindo trabalhar com Ney Bittencourt aqui em Patos, fruto dessa amizade que nós fizemos em Viçosa. E trabalhamos 23 anos juntos, ele entrou como eu, como funcionário comum da Agroceres, depois se tornou presidente da Agroceres. Eu tenho impressão que ele vive em volta de mim”.

José Ribeiro trabalhou na Agroceres até 1981, primeiro como Gerente de Produção, depois como Gerente Regional de Vendas e como fundador e Diretor Executivo da Agroceres PIC Melhoramentos de Suínos. Nos primeiros anos da Agroceres a proximidade com o seu fundador, o pesquisador e geneticista do milho Antônio Secundino de São José deixaram marcas indeléveis. “O Antônio Secundino não chegou a ser só amigo não, o Antônio Secundino para mim foi um pai, foi uma pessoa que ajudou na minha formação e ele realmente foi o meu pedestal, sempre que eu imagino uma pessoa importante, uma pessoa inteligente, uma pessoa que eu tinha que seguir era o Antônio Secundino, eu só pensava nele. É uma pessoa que faz uma falta tremenda a este país porque era realmente fora de série”.

Cinquenta e cinco longos anos são passados desde a chegada de José Ribeiro de Carvalho a Patos de Minas. Uma trajetória vitoriosa carregada de ativa participação comunitária, empresarial e profissional marcada em associações, entidades de classe, empresas, conselhos comunitários, federações e órgãos estaduais e federais ligados à agricultura e ao agronegócio. A mais importante e duradoura delas a participação por mais de 20 anos na diretoria do Sindicato Rural de Patos de Minas, doze deles como presidente, onde realizou uma gestão admirável e irrepreensível. “Uma passagem muito importante da minha vida, eu trabalhei muito dentro do Sindicato, as obras do Sindicato, oitenta por cento foram construídas na minha administração e como prova estão lá as placas, como foram construídos aquilo, e acho que eu consegui dar uma contribuição muito grande ao Sindicato Rural de Patos de Minas”.

No mesmo período aflorou e se materializou a figura do José Ribeiro empresário e empreendedor. “A Agroceres PIC foi uma empresa que pode-se dizer que foi fundada por mim, porque quem instalou a Agroceres PIC fui eu, quem importou os suínos fui eu. Eu fundei com outros companheiros a Patureba, que na época era Cereais Patureba e depois a Sementes Ribeiral, a Sapes-Sociedade Agropecuária Santana Ltda, Sabol, que também era uma fazenda, isso tudo na época do Polocentro², aproveitando o incentivo do Polocentro e hoje está vingando a Patureba Fertilizantes”.

A Cereais Patureba, criada em 1971, virou Patureba Fertilizantes e hoje é Terrena Agronegócios, a maior empresa regional do agronegócio e uma das maiores do estado de Minas Gerais no setor. A Terrena Agronegócios é uma empresa que orgulha Patos de Minas e chega aos seus 44 anos de fundação com solidez e credibilidade, fruto de uma gestão moderna e eficiente cultivando sempre a filosofia de fomentar a parceria do homem com a terra, porque foi fundada e sedimentada em bases sólidas por seus primeiros empreendedores, entre eles José Ribeiro de Carvalho, o incentivador maior de sua criação. Mais que um empreendedor, o Zé Ribeiro foi também um revolucionário.

“Patos de Minas representou tudo pra mim, porque logo que formei vim pra cá, foi aqui que eu me fiz profissionalmente, me fiz economicamente, criei a minha família, são todos os meus filhos nascidos aqui e é por isso que Patos é minha terra. É a cidade que eu mais contribuí para seu desenvolvimento, não só pelas empresas que foram fundadas como também pelo trabalho que sempre fiz em prol de Patos”.

Aos 82 anos de idade, 56 anos de parceria fiel com Amélia, três filhos (Cláudio, Gláucia e Marco Antônio) e 8 netos, José Ribeiro de Carvalho é mais um exemplo daqueles forasteiros que adotaram Patos de Minas como sua cidade. Tem uma infinidade de títulos homenageando o seu profissionalismo e um que ele apreciou muito veio da Universidade Federal de Viçosa, Honra ao Mérito, pelos trabalhos realizados na Agronomia. E Patos de Minas, em agradecimento ao que ele fez pela terra, também lhe adotou com o título de Cidadão Patense.

* 1: Filho de Antônio Secundino de São José, fundador da Agroceres.

* 2: Programa de Desenvolvimento dos Cerrados, foi criado em 1975 e teve como objetivo o desenvolvimento e a modernização das atividades agropecuárias da região Centro-Oeste e do oeste do estado de Minas Gerais, mediante a ocupação racional de áreas com características dos cerrados e seu aproveitamento em escala empresarial. O programa selecionou áreas específicas para atuação e, posteriormente, forneceu crédito altamente subsidiado a todos os produtores que desejassem investir em exploração agropecuária empresarial.

* Texto: Eitel Teixeira Dannemann e DVD “José Ribeiro de Carvalho, Um Revolucionário”, produção de Studio Z e direção geral de José Mauro Versiani.

* Foto: Eitel Teixeira Dannemann (25/09/2015).

Compartilhe