TRANSIÇÃO ATAÍDES/SEBASTIÃO

Postado por e arquivado em HISTÓRIA.

SEBASTIÃOAtaídes de Deus Vieira, o primeiro Prefeito patense eleito pela legenda da ARENA, nasceu em Carmo do Paranaíba, em 05 de agosto de 1926, sendo filho de Francisco José Gomes e de Olinta de Deus Vieira. Nunca exerceu nenhuma atividade política, a não ser como Prefeito de Patos de Minas, eleito em novembro de 1966 e empossado no cargo em 31 de janeiro de 1967, administrando o Município até 31 de janeiro de 1971, quando passou o cargo a Sebastião Silvério de Faria. Este foi seu pronunciamento:

Autoridades presentes

Meus Senhores – minhas Senhoras

Desejo, nesta oportunidade, agradecer ao extraordinário povo patense, a êsse povo magnâmico, ordeiro e operoso, o apoio e a confiança com que fui amparado em minha gestão.

Convivendo com êsse mesmo povo, havia de trazer para o govêrno que me foi entregue pelo seu mandato o exemplo e a inspiração de sua tenacidade no trabalho, de seu espírito de paz e tolerância, de sua tradição de patriotismo e de sua obstinação pela busca de um futuro melhor.

Muitas tempestades se formaram durante esses quatro anos que se passaram, felismente, após cada tempestade vem a bonança e ai está Patos de Minas, tranquila e caminhando rumo ao progresso.

Quando da minha campanha como candidato a prefeito de Patos de Minas eu então afirmava “que não era homem de discurso e sim de ação”. O povo que seja meu juiz!

O meu reconhecimento público extensivo à excelente e dedicada equipe de auxiliares da minha administração, ao funcionalismo em geral, às classes produtoras, aos trabalhadores do campo e da cidade, aos vereadores, às autoridades civis, militares e religiosas, a todos, enfim, cuja experiência e conforto me valeram moral e materialmente no exercício do mandato que hora encerro.

Espero em Deus que o julgamento da coletividade possa ser o eco de minha consciência, perante a qual me prometi honrar, nos quatro anos que se passaram e dos quais hei de recordar com a sensação do dever cumprido.

Ao Dr. Sebastião Silvério de Faria desejo os melhores votos de uma administração profícua e feliz. Assim como desejo a felicidade de todo o povo de Patos de Minas. A todos o meu muito obrigado.

Ataídes de Deus Vieira.

Sebastião Silvério de Faria¹, filho do casal Arlindo Silvério Xavier e Maria Lourenço de Faria, nasceu em São Gonçalo do Abaeté em 14 de março de 1935. Foi eleito Prefeito de Patos de Minas em 15 de novembro de 1970. O mandato seria apenas de dois anos, para haver coincidência de mandatos, com início em 31/01/1971 e término no final de 1972. Este foi o pronunciamento de Sebastião Silvério de Faria ao receber a faixa de Ataídes de Deus Vieira:

Nesta hora solene em que recebo das mãos do Sr. Ataídes de Deus Vieira o comando dos destinos do município de Patos de Minas, renovo meus propósitos de tudo fazer no sentido do bem comum e da integração política de nossa terra. Já na minha campanha eleitoral em disputa do executivo municipal eu então afirmava crer nos ideias da Revolução e na nova filosofia política do Govêrno Brasileiro.

Creio, ainda, na grande vocação de Patos, predestinada a ser líder de tôda uma região. Creio que temos que ultrapassar os limites de 1971 e projetar-mo-nos no ano 2000. Sei o quanto muitos esperam de meu esfôrço e dedicação à causa comum. Peso e avalio quantas esperanças estão em mim depositadas. Mas creio, também, que jamais um homem teve tantos cidadãos dispostos a lhe estenderem as mãos num desejo fraterno de servirem juntos à mesma comunidade.

Sou um angustiado dos problemas de Patos que tem tudo para ser grande e maior, mas sou, antes de tudo, um teimoso que vive acreditando e pregando que o futuro desta cidade, que me é muito querida, está em nossas mãos e na nossa boa vontade, única e exclusivamente.

Não podemos ser imediatistas em nossas pretensões, embora conheçamos problemas que requerem nossa pronta atenção. Afirmo, entretanto, sem receio de incorrer em êrros, a necessidade premente de promover a industrialização de Patos. Afirmo, ainda, a necessidade imperiosa de amparar e incrementar a educação; porque acredito, que sem sombra de duvidas, nosso futuro está afeto e estreitamente ligado a essas duas metas, que serão o suporte e em tôrno das quais hei de conduzir o meu govêrno.

Dirão os senhores: E o problema da água?

Sei da sua gravidade, porém, conheço nossa fibra, nossa valentia e coragem e afirmo-lhes que seremos uma vez mais vitoriosos. Considero o problema da água FORA DE SÉRIE e como tal será tratado.

Ditas essas palavras volto a insistir junto ao Povo Patense que minhas razões são válidas, se meus problemas, são os seus problemas, se meus ideais são os seus ideais, se minhas responsabilidades são as suas responsabilidades, que rezem por mim, pelo executivo patense, para que Deus supra em Graça o que mim faltar diante da carga que tomo sôbre os ombros. Quero, ao final de meu mandato, entregar ao povo de Patos, a êsse bom povo que depositou em mim sua confiança, uma Patos de Minas associada com a realidade do século XX.

Reiterados meus propósitos de bem servir a todos, indistintamente, invoco a proteção divina: Que Deus me ajude nesta tarefa.

E a você grande Prefeito Ataídes, o reconhecimento do Povo de Patos e a certeza de que jamais será esquecido pelo seu trabalho e dedicação à frente da Prefeitura Municipal. O povo é seu juiz e o povo dá o seu veredicto: Vá com Deus e pode levar consigo a certeza do DEVER CUMPRIDO.

Patos, 31/janeiro/1971

Sebastião Silvério de Faria.

NOTA: No dia 15 de novembro de 1972, o advogado Waldemar da Rocha Filho², de apenas 28 anos, foi eleito o novo Prefeito de Patos de Minas.

* 1: Leia “Como Foi a Eleição de Sebastião Silvério de Faria”.

* 2: Leia “Como Foi a Eleição de Waldemar da Rocha Filho”.

* Fonte: Textos “Despede-se Ataídes de Deus Vieira” e “A Fala de Sebastião Silvério de Faria na sua tomada de posse” publicados na edição de 11 de fevereiro de 1971 do jornal Folha Diocesana, do arquivo do Laboratório de Ensino, Pesquisa e Extensão de História (LEPEH) do Unipam.

* Fotos: Do livro Patos de Minas: Minha Cidade, de Oliveira Mello.

Compartilhe