ETERNO CHILON, O

Postado por e arquivado em DÉCADA DE 1990, FOTOS.

Vindo de Serra do Salitre onde nasceu, Chilon Gonçalves¹ se estabeleceu em Patos de Minas aos 34 anos de idade: Aqui cheguei já de máquina na mão, a serviço da fotografia. Trabalhei na porta da antiga Igreja Matriz, hoje demolida, e nas festas de Santo Antônio, de N. Sra. do Rosário, as pessoas faziam fila para serem fotografadas. Nessa época o povo vinha de carro de boi, pernoitando nas proximidades do Largo. O tempo passou, mas a memória histórica de nosso povo registrou o trabalho do fotógrafo em sua busca incansável do belo, da imagem perfeita que resguardasse nossas raízes, nossos costumes, nossa maneira de ser e de viver, nossos instantes de dor e alegria, de felicidade e tristeza. O nosso Cidadão Honorário nos deixou para sempre em 22 de julho de 2004, um triste dia para a multidão incontável que teve o privilégio de conviver com ele.

0* 1: Leia “Chilon Gonçalves até 1997”.

* Texto: Eitel Teixeira Dannemann.

* Fonte: Jornal O Tablóide, do arquivo de Fernando Kitzinger Dannemann.

* Foto: Arquivo da Fundação Casa da Cultura do Milho.

Compartilhe