DESCENDO A RIO GRANDE DO NORTE NO BAIRRO SANTA LUZIA

Postado por e arquivado em 2016, DÉCADA DE 2010, FOTOS.

O termo Rio Grande do Norte é bem quisto pelo poder público patense para denominar logradouros. E como é comum por aqui os nomes de ruas se repetirem em bairros diferentes, de vez em quando as autoridades constituídas para o fim se apercebem e resolvem consertar. Com a ocupação imobiliária da Lagoa Grande iniciada na década de 1950, surgiu por lá uma Rua Rio Grande do Norte que continuava como Rua Goiás. A Lei n.º 1.731 de 12 de setembro de 1980 determinou que toda a extensão do logradouro tivesse o nome de Rua Rio Grande do Norte. Como existia uma rua com esse nome (também conhecida por Rua do Norte) com início na Rua Dona Luíza, atravessando perpendicularmente a Rua Major Gote e terminando no Córrego do Monjolo, através da Lei n.º 1.732 de 12 de setembro de 1980 ela teve o nome alterado para Rua Lauro Santos.

Nove anos depois, a Lei n.º 2.442 de 10 de fevereiro de 1989 trouxe confusão: Avenida da Lagoa passa a denominar-se Rua Barão do Rio Branco; Avenida da Lagoa passa a denominar-se Rua Vereador João Pacheco e Avenida da Lagoa passa a denominar-se… Rua Rio Grande do Norte. Se você entendeu, parabéns!

Continuando a bizarrice, existia mais uma rua com o nome de Rio Grande do Norte, localizada entre as Quadras 32, 35, 43, 45 e 46, setor 25 Bairro Nossa Senhora de Fátima, nome que foi alterado para Rua Clariza Araújo através da Lei n.º 3.067 de 27 de agosto de 1992.

Você acha que acabou? Que nada, pois existia mais uma rua com o mesmo nome de Rio Grande do Norte localizada entre as quadras 12, 13, 15 e 16, no trecho compreendido entre Rua Major Gote e Avenida Fátima Porto, setor 08, no Bairro Cônego Getúlio. A Lei n.º 4.122 de 03 de abril de 1996 alterou o nome para Rua Olímpia Nunes de Araújo. E assim, por enquanto, está a situação.

A Rua Rio Grande do Norte da foto é a sua descida no Bairro Cristo Redentor em direção ao Rio Paranaíba no Bairro Santa Luzia. Lá embaixo, à direita, está a torre amarelada da Igreja Santa Luzia. Em frente, a Escola Estadual Ilídio Caixeta. À esquerda, já do outro lado rio, as instalações da SUINCO (prédio branco em parte encoberto por árvores).

* Texto e foto (13/12/2016): Eitel Teixeira Dannemann.

Compartilhe