12.ª CÂMARA MUNICIPAL – 30/10/1895 A 03/01/1901

Postado por e arquivado em CÂMARAS, PODER LEGISLATIVO.

Foram eleitos para compor a 12.ª Câmara Municipal, em 30 de outubro de 1895, os seguintes vereadores:

Augusto Borges, Augusto Ferreira da Silva, Felisbino José da Fonseca, Jerônimo Dias Maciel, João d’Afonseca e Silva, João Gualberto de Amorim, José Joaquim de Santana, Olimpio Modesto da Silva, Olivério Teixeira dos Santos, Paulino dos Santos Pitanguy e Pedro Leão Pereira Duarte.

Jerônimo Dias Maciel foi eleito Presidente e Chefe do Executivo e como vice, João Gualberto de Amorim.

Em 27 de fevereiro de 1896, Felisbino José da Fonseca renuncia por motivo da saúde e, na sessão de 26 de maio, João Gualberto de Amorim pede demissão, enquanto que a Câmara declara vaga a cadeira do vereador Olivério Teixeira dos Santos, por faltar a duas reuniões. Foram eleitos no dia 24 de maio, para preenchimento das duas primeiras vagas, Antônio Silvério de Araújo e Bráulio de Sousa Maciel.

Na sessão de 24 de julho, Augusto Borges, Antônio Vieira Machado e Eduardo Ferreira de Noronha tornam-se Vereadores Gerais, enquanto são Vereadores Especiais: Frederico Amâncio da Silva, pela sede; José Jacinto da Silva, por Santana de Patos; Augusto José da Fonseca, por Lagoa Formosa e Jacob Rodrigues de Araújo, por Dores do Areado. O de Santa Rita renunciou e foi eleito Alfredo Batista Marra, que se empossou em 19 de maio do ano seguinte.

De acordo com o registro em ata de 27 de dezembro de 1897, eram conselheiros e Agentes Executivos Distritais: Santa Rita – Hermenegildo Rodrigues, Presidente e Agente Executivo; Luiz Ferreira da Silva e Manuel José Nascentes, Conselheiros. Lagoa Formosa – Miguel Fernandes Canedo, Presidente e Agente Executivo; José Furtado Pacheco e José Alves Mendonça, Conselheiros. Areado – José da Mota, Presidente e Agente Executivo; Martinho José Ferreira e Jorge Martins Arruda Branco, Conselheiros.

Em 03 de fevereiro de 1898 a Câmara recebeu comunicado do desabamento da ponte sobre o Rio Paranaíba. O vereador Eduardo Noronha indica uma correspondência ao Presidente do Estado e a urgência de sua reconstrução. Na sessão de 04 de maio o Presidente apresentou o ato de entrega da barca que se acha no Porto do Paranaíba, denominado de Porto do Justino, ao cidadão Antônio Pereira da Fonseca, concedendo-lhe 50% do rendimento da passagem.

* Fonte: Uma História de Exercício da Democracia: 140 Anos do Legislativo Patense, de José Eduardo de Oliveira, Oliveira Mello e Paulo Sérgio Moreira da Silva.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

captcha

Please enter the CAPTCHA text