JOGATINA EM 1906

Postado por e arquivado em ARTIGOS.

TEXTO: EUPHRASIO JOSÉ RODRIGUES (1906)

É uma victima do systhema de educação, contraproducente com as utilidades praticas da vida, anarchico, dissolvente e ethnicida, que delibera hoje escrever contra esse cancro roedor da humanidade; aquelles que perderam a confiança no trabalho, e que só têm confiança na fortuna eu os conjuro, que quando encontrarem um filho-familia incauto os dissuadam de entrar na voragem em que estamos submersos; infelizmente, hoje, todos jogam, desde o deputado que pouco se importa com o mandato do poder e vae a Bello Horizonte jogar roleta, até o ultimo dos operarios que vae perder na ponta da rua as economias da semana; desde o sacerdote que não se pode levantar a hora clássica para abençoar o povo até o medico na incuria de seus clientes; desde o advogado que descura de seus constituintes até pharmacêutico que não cuida de aviar com presteza as formulas prescriptas , tudo joga.

Em Minas é o divertimento clássico, si chegares leitor amigo, deante de uma mesa de jogo, vereis como todos os olhos estão febricitantes pendentes de uma carta, como o esculptor deante do bloco de marmore donde deve sahir a estatua; quantas lagrimas se tem derramado por causa da desenfreada paixão de jogar; muitas victimas tem feito e ha de fazer esse vicio, até que os poderes competentes obrem com toda energia designando medidas repressivas e não anodynos, palliativos de medidas extemporâneas para a debellação da symptomatologia alarmante deste grande mal.

Si a therapeutica dos governos obrar com energia nos seus fócos de vitalidade estamos certos que, o nosso querido Estado de Minas, caminhará desassombradamente na senda do progresso, e que os homens que constituem a aristocracia intellectual do paiz, conscios de seus deveres, só trabalharão pelo bem do povo, desse povo amante dos que produzem a luz, desse povo filho dessa terra opulenta pela sua riqueza, uberrima pela sua fecundidade.

Si o jogo é uma paixão sinistra, inda mais sinistro é termos os nosso bem estar a custa da ruina de alguem.

Dr. E. Rodrigues.

* Fonte: Texto publicado com o título “O Jogo” na edição de 18 de novembro de 1906 do jornal O Trabalho, do arquivo de Fernando Kitzinger Dannemann.

* Foto: Fotolog.com.

Compartilhe