AQUI FUNCIONOU O LAMINADOS DE MADEIRA CARVALHO

Postado por e arquivado em 2018, DÉCADA DE 2010, FOTOS.

Na década de 1950, os irmãos Jorge e Martin Zipperer, da Companhia Industrial de Móveis, apelidada de Móveis Cimo (fundada em 1921 em Rio Negrinho-SC) foram os primeiros no Brasil a usar a tecnologia de laminação da madeira a vapor, importada de Hamburgo, na Alemanha. A máquina serra finos cortes dos troncos de madeira, a partir de 0,8 mm, para a finalidade de revestir compensados, MDF, MDP¹ ou outra madeira qualquer, o que garante beleza e textura de um móvel de madeira original.

Se os irmãos Jorge e Martin Zipperer foram os pioneiros na laminação da madeira a vapor no Brasil, esses quatro cidadãos foram os pioneiros em Patos de Minas: Aldo Lino Silva, Joalfredo Caixeta de Carvalho (Jojó), Joaquim Caixeta de Carvalho e Joaquim Gonçalves de Carvalho Jr. (Quinquim). Em 1966 eles fundaram o Laminados de Madeira Carvalho, sem ligação jurídica com a tradicionalíssima Móveis Carvalho da Rua General Osório², cujo fundo dava na Rua Tenente Bino. No imóvel da foto³ foram produzidas lâminas de madeira até 1996. A empresa se manteve mais uns três anos produzindo móveis artísticos até que encerrou definitivamente as atividades, deixando aos patenses o marco histórico do pioneirismo. Atualmente, parte do que restou da estrutura física é alugada a terceiros.

* 1: Compensados: formados por lâminas de madeira sobrepostas que são coladas e passam por um processo de pressão que as une definitivamente; MDF (Medium Density Fiberboard): trata-se de um painel de madeira reconstituída, produzido por meio da aglutinação de fibras de madeira com resinas sintéticas e aditivos. As placas de madeira são coladas umas sobre as outras com resina, e fixadas através de pressão; MDP (Medium Density Particleboard): é um painel de aglomerado constituído de partículas de madeira aglutinadas entre si – com resinas ureicas, principalmente – mediante a ação de temperatura e alta pressão.

* 2: Local onde funcionou o Cine Glória.

* 3: No grande descampado onde foi construída a fábrica de laminados praticamente não existiam ruas. Com a desordenada urbanização, o local se transformou no Bairro Alto dos Caiçaras e o pequeno logradouro de apenas um quarteirão recebeu o nome, não oficial, de Rua Carvalho, entre a Rua Major Gote e Rua Albânia, margeando lateralmente o lado de cima da AABB.

* Texto e foto (29/04/2018): Eitel Teixeira Dannemann.

Compartilhe