SOBRE A RÁDIO CLUBE DE PATOS A UM MÊS DA INAUGURAÇÃO

Postado por e arquivado em ARTIGOS.

TEXTO: JORNAL FOLHA DE PATOS (1941)

Especial e gentilmente convidado por seus proprietários e dirigentes, o Prefeito Fonseca Sobrinho visitou em dias da semana transata as modernas instalações da Rádio Clube de Patos¹.

A S.S. que se fez acompanhou de seu ilustre secretário sr. Ataualpa Maciel, foi dado ver e admirar o que é a nossa Rádio Clube.

Tudo é perfeito. Tudo notável. Do microfone à antena transmissora.

Os idealisadores deste notável empreendimento, que honra sobremaneira nossa cidade, tudo previram e nada deixaram faltar. Todos os detalhes foram cuidadosamente estudados e realisados aos moldes das melhores organisações no gênero, existentes no paíz.

Podemos dizer por exemplo, sem referirmos  a outros detalhes, que o auditório da Rádio Clube de Patos e seu estúdio, só são superados em Minas Gerais pela P.R.E. 5 de Uberaba e P.R.I. 3 de Belo Horizonte, respectivamente.

Durante a visita feita, ao par das amabilidades recebidas dos dirigentes da estação, foi dado aos presentes ouvir do Dr. Bruno Corsino, competente engenheiro que ultima os trabalhos de instalação, uma interessantissima preleção radiotécnica. Uma explicação clara e precisa foi feita, de todas as instalações.

“Folha de Patos”, que esteve presente, colheu alguns dados que se apressa em publicar, para mostrar ao povo de Patos, o que é em linhas gerais, a moderna Rádio Clube.

Assim, é que, resumindo ao máximo a preleção do Dr. Bruno, ficamos sabendo que o estúdio está equipado com modernos amplificadores “Thordarson”, de alta fidelidade. Ha um microfone especial para cada caso, e reprodutores fonográficos de cristal asseguram grande pureza de som.

O som é enviado do estúdio a estação transmissora, que está localisada a um quilômetro de distância da cidade, por um cabo brindado, adequado.

O transmissor é controlado a cristal de quartzo e sua frequência será, precisamente, 1.530 quilociclos com uma precisão de 0,025%. Uma câmara termostática, permanentemente ligada, assegura essa precisão.

A potência de saída é de 100 watts na antena e o estágio final é constituido por duas válvulas R.C.A. 810, alimentadas a 2.000 volts de corrente contínua. Vários dispositivos de seguranças existem, bem como meios especiais de filtro para harmônicos, etc.

A antena é do tipo vertical de 1/4 de onda suportada por 16 cabos de aço esticadores.

O sistema de terra é também idêntico ao das grandes emissoras e o conjunto completo destes elementos somente é empregado em estações de elevada potência. A torre está provida de um fóco vermelho, permanentemente aceso durante a noite, afim de proteger a navegação aerea.

E’ isto, em linhas gerais, a estação emissora local. Que o povo de Patos aplauda e prestigie tão alevantado melhoramento, pois que, pela onda de sua estação, Patos se exteriorisará, mostrando para fora de suas fronteiras quão grande é e quer ser, com filhos arrojados e progressistas como estes da Rádio Clube.

* 1: Leia “1.º Endereço da Rádio Clube de Patos”, “Rádio Clube de Patos”, “Inauguração da Rádio Clube de Patos – Revisão da Data” e “Baile de Inauguração da Rádio Clube de Patos”.

* Fonte: Texto publicado com o título “Rádio Clube de Patos – Suas Modernissimas Instalações” na edição de 12 de outubro de 1941 do jornal Folha de Patos, do arquivo da Fundação Casa da Cultura do Milho.

* Foto: Do livro “Rádio Clube – Setenta Anos e Suas Histórias”, de Adamar Gomes.

Facebooktwittergoogle_plusby feather