MAIS EMPREGOS EM 1976

Postado por e arquivado em ARTIGOS.

TEXTO: OSWALDO AMORIM (1976)

Entro na Rádio Clube de Patos e ouço o Otaviano, um de seus locutores, ler um anúncio de uma firma oferecendo empregos a profissionais qualificados. Comento a respeito e ele corre a mão sobre a sua mesinha e me estende um punhado desse tipo. Um deles diz que uma companhia em franca expansão precisa de técnicos em contabilidade para chefiar seus departamentos de pessoal e tesouraria. Outra conta que a CPRM necessita de um torneiro e um pintor. E um terceiro, a Ditrasa, subsidiária da Dipam está oferecendo empregos para pedreiros e serventes na construção de sua sede, no Km 1 da Rodovia do Milho. Talvez poucos tenham prestado atenção nisso, mas esses anúncios são um claro indício de que nosso mercado de trabalho, antes tão fechado, está se abrindo. E o que é melhor é que tudo indica que seguirá assim, oferecendo cada vez maiores possibilidades de empregos a todos.

Através de duas notícias, lendo a nossa Folha Diocesana, observo também a expansão do nosso ensino profissionalizante, um setor em que éramos bastante carentes. Uma delas diz que já se encontra em Patos o professor Hideo Nakaname, um tarimbado especialista em que coordena o curso de Eletrotécnica no Colégio Silvio de Marco. Outra nota informa que o Colégio Marista está ministrando os cursos de Laboratorista e Eletrônica que, além da formação profissional, prepara os alunos para uma série de cursos superiores, como os de Medicina, Odontologia, Farmácia e Veterinária, no primeiro caso, e os de Engenharia (todos os 18 ramos) e Arquitetura, no segundo.

Tudo isso é animador. Mas não devemos ficar só nisso. Como vistas à preparação de mão de obra, em maior escala, que o desenvolvimento da cidade e da região exige creio que devemos fazer convênios com o PIPNOR e outras entidades especializadas para a criação de cursos de curta duração, destinados à formação de pedreiros, carpinteiros, marceneiros, eletricista, tratoristas, etc… E também pensar numa série de cursos profissionalizantes de nível médio, que mais tarde poderiam evoluir para o nível superior.

* Fonte: Texto publicado com o título “Mais Empregos em Patos” na edição de 28 de janeiro de 1976 do Jornal dos Mjunicípios, do arquivo da Fundação Casa da Cultura do Milho.

* Fonte: Oficialblog.org.

Compartilhe