ESPERTALHÃO, O

Postado por e arquivado em CANTINHO LITERÁRIO DO EITEL.

Quase ao lado do Edifício Ponto Chic, na Rua Major Gote, existiu um imóvel de dois andares construído por Afonso Queiroz em 1930. Afonso morou no andar de cima e no térreo funcionaram dois comércios que são lembrados até hoje: a Barbearia do Joãozinho e a loja de material elétrico comandada por Acir Marques¹. Certa vez, um sujeito aparentando uns 40 anos adentrou ao salão com um menino de uns 8 a 9 anos. Chegando a sua vez, o homem solicitou corte de barba e cabelo. O Joãozinho, como sempre, efetuou um serviço de primeira qualidade, deixando o cliente satisfeito. Admirando-se ao espelho, o sujeito disse:

– Enquanto você corta o cabelo do garoto vou até ali na Casa do Gérson pagar uma conta.

Praticando o serviço, o barbeiro reparou que o garoto estava vestido com roupas surradas que não condiziam com um pai zeloso. Terminado o corte, o pai ainda não havia voltado da Casa do Gérson. Então o Joãozinho falou ao menino:

– Senta ali e espera seu pai voltar.

– Ele não é meu pai − respondeu o menino.

Tudo bem, então ele deve ser seu tio, um outro parente ou um amigo. De qualquer modo você vai ter que esperá-lo voltar.

– Mas ele não é nada meu – retrucou o garoto.

Nessa o Joãozinho coçou a cabeça e ficou sem entender a situação. Intrigado, perguntou:

– Ora, se não é seu pai, se não é nenhum parente seu e também não é amigo, então, ora bolas, quem é aquele sujeito?

E o menino com uma candura de assustar respondeu:

– Não tenho a mínima ideia, nunca vi aquele cara na minha vida, ele me viu ali na esquina e disse que ia pagar o meu corte de cabelo.

* 1: Leia “Três Imóveis da Rua Major Gote na Década de 1980”.

* Texto: Eitel Teixeira Dannemann (Traquitanas Patenses).

* Foto: Mundoinfantilbahia.blogspot.com.

Compartilhe