FO-RO E FESTIN

Postado por e arquivado em ARTES, TEATRO.

FOROO importante é cultivar o potencial artístico do estudante, desde o seu início no estabelecimento de ensino, para que ele se sinta na necessidade de participar, prestigiar e presenciar os movimentos artísticos e culturais de nossa terra.

E se é importante cultivar, é preciso mais ainda, que tenha alguém dentro da própria escola disposto a levantar esta bandeira e lutar, e que tenha o gosto pela arte e saiba ainda na medida certa, reconhecer e elevar através do bom senso, o modo mais simples, que é fazer com que cada um deles descubra sua própria sensibilidade, seu meio e a forma com que possa desenvolver sua arte dentro de suas possibilidades, para que ele não tenha uma idéia errônea de como seria a coisa.

No que se refere ao Colégio Fonseca Rodrigues, nota-se que é um colégio de sorte, pois tem na direção a pessoa da dinâmica Prof.ª Terezinha de Deus Fonseca, que todo apoio tem dado para que seus alunos se sobressaiam nos mais variados tipos de manifestações culturais, tanto no esporte, teatro, música, poemas, exposição de arte como em pesquisas, shows etc.

Para que os alunos daquele educandário praticassem teatro é que foi criado o FESTIN (Festival de Teatro Interno) e construído o Teatro TERRAÇO. E este ano tive o prazer e a honra de participar como jurado deste Festival, juntamente com João Marcos Pacheco (Presidente do Centro de Estudos Teatrais-CET), Aurélio Mendonça-Bebezão (integrante do CET), Magda Faria Almeida (ex-Garota Debulha/81 e integrante do CET) e Mirian Ribeiro (Prof.ª de Português).

Antes de publicar a classificação queria parabenizar o Prof.º José Jorge Vieira e a mui querida Prof.ª Ivete de Queiroz Porto por serem tão bem sucedidos na promoção e agradecermos por tão honroso convite. E aos alunos que participaram fica aqui o meu incentivo para que se desenvolvam na arte, pois ela é uma das coisas belas que ainda nos restam na vida.

Eis a classificação:

1.º lugar – 2.º grau ficou com a peça “Praça Patos”, e Marilda obteve o prêmio de melhor atriz; 2.º lugar – 2.º grau: “Versos em Fuga – Geometria Poética” e Ricardo ficou com o prêmio de melhor ator; 1.º lugar – 1.º grau: “O Circo Americano”; 2.º lugar – 1º grau: “Os Doces da Rainha”; 1.º lugar – Primário: “Deixe-nos Viver” que ainda ganhou o prêmio de melhor figurino; Melhor Cenário e Melhor Sonoplastia: “A Sereia de Prata”. E ainda: Maria Adelina ganhou o prêmio de atriz revelação no papel de “Ambrozina”, que aliás foi muito bem merecido.

E finalizando com as palavras de João Marcos Pacheco: “Não dêem tanta importância aos prêmios que receberam. Eles nada valem além de uma lembrança. O que realmente tem valor é o trabalho artístico que desenvolveram nestes dias e que tivemos o privilégio de assistir”.

* Fonte: Texto de “Vicente” publicado no n.º 60 da revista A Debulha de 03 de dezembro de 1982, do arquivo do Laboratório de Ensino, Pesquisa e Extensão de História (LEPEH) do Unipam.

* Foto: Nascidaemversos.blogspot.com.

Compartilhe