IMPLICANTE E A LAGOA DOS JAPONESES, O

Postado por e arquivado em ARTIGOS.

ATEXTO: ANTONIO CAETANO DE MENEZES (1972)

Em Lagoa Formosa tem no centro da cidade, uma lagoa bem cuidada, preparando-se para asfaltar uma pista circulando a lagoa. Saem famílias d’aqui de Patos afim de se divertirem na lagoa de lá. Agora vem o caso que vou relatar da nossa Lagoa do Japones.

Todo mundo sabe e conhece a origem do nome de nossa cidade. Nos primordios tempos chamava-se S. Antonio dos Patos. E porque esse nome? Porque existiam tres ou quatro lagoas onde desciam bandos de Patos para nadarem nas lagoas. Portanto meus senhores que leem estas linhas, sabem ou ficam sabendo que das muitas lagoas, restam duas: uma na beira da estrada do Milho e a do Japones, no centro da cidade e que estas lagoas são históricas, fazem parte integrante da história de Patos.

Acontece que essa histórica lagoa que deverá ser cuidada, tratada, mesmo daqui ha 5 ou 10 anos, deverá ser cercada com cimento circulando-a, arborizada, com 10 ou 12 barquinhos navegando com famílias da cidade e turistas de fora, com bons bares e lanchonetes, quando a cidade tiver água daqui a 3, 4, ou mais anos, devendo receber um cano de 5 polegadas despejando agua e outro de 10 polegadas para saída de agua, então hão de ver que essa lagoa desde agora ou ja ha dois anos, não pode ser despejo de lixo e nem receber terra quase no meio dela levado por trator ou patrola. A rua Barão do Rio Branco beira a lagoa, ahi a rua ja chama rua da Paz, quem quiser ver o erro absurdo de entupir a lagoa, passem naquela rua e verão!

Ja foi mutilada numa parte com uma rua que foi aberta pegando uma boa parte da lagoa, mais se não entupissem mais, daqui alguns anos será o ponto turístico de Patos de Minas. Perdoem o implicante, mais minhas implicancias são construtivas.

* Fonte: Texto publicado na edição de 30 de março de 1972 do Jornal dos Municípios, do arquivo do Laboratório de Ensino, Pesquisa e Extensão de História (LEPEH) do Unipam.

* Foto: Canstockphoto.com.

Compartilhe